like

“Draw a straight line and follow it”
La Monte Young (b 1935), ‘composition No.10’, to Bob Morris, 1960.
like
like
savannahmjoseph:

pressed orchid project is growin’
like
like

The Grand Budapest Hotel (2014)
like
like
omyt:

Rick Owens SS11
like

Ana Teresa Barboza
The Signs thoughts

12-stars:

Aries: I’m better than all of you assholes

Taurus: I could eat some cake right now.

Gemini: I’m going to pretend I care about what you just said

Cancer: I need hugs and cookies.

Leo: Fuck u bitch I’m fabulous, bow down to me. 

Virgo: You’re all uncultered swines.

Libra: Stop war hug more

Scorpio: I tired of your bullshit, I just wanna sleep

Sagittarius: I wanna fuck your girlfriend

Capricorn: Sex sex sex sex sex sex sex

Aquarius: I’m hot and gay.

Pisces: Fuck my life.

perksofbeingafanboy:

what do people who aren’t obsessed with fictional characters do with their lives

like
the-inspiration-wall:

rareaudreyhepburn:

Audrey Hepburn May 4, 1929 - January 20, 1993.

“I decided, very early on, just to accept life unconditionally; I never expected it to do anything special for me, yet I seemed to accomplish far more than I had ever hoped. Most of the time it just happened to me without my ever seeking it.” - Audrey Hepburn

(Left: Audrey Hepburn, 1988. Right: Audrey, 1953.)

Audrey was so so beautiful, inside and out. Even with age, that never changed. Ever. She was such a wonderful person. 
"No fundo, tudo isso é sobre solidão. Por mais que eu caminhe entre tantos passos, veja tantos olhares e abrace tantos braços, no fundo, no amargo âmago, não há nenhum amigo. No fundo, bem dentro do meu caule, onde não existe mais água, nem seiva, onde nem oxigênio alcança, estou sozinha. Uma solidão que a gente só sente quando não espera sentir. No transtorno de um parque, entre sons, pessoas e insetos ou em uma manhã qualquer, quando só ouvimos o café ralo descer pela garrafa. E a gente se sente o pó. Um mínimo grão que nasceu só, e por mais que assim não viva, dessa forma morrerá. Lá dentro há um vazio, que não pode ser preenchido por coisa alguma, um vazio só nosso. Não algo que escondemos, mas algo que não mostramos. No fundo, sou só-lidão. Que por mais que eu beije alguns beijos, fale algumas falas, escreva alguns escritos, não me abandona. Só me surge no meio da tarde, enquanto leio um livro ou vou ao cinema, esteja eu sozinha ou acompanhada. Esse sentimento, nem meus mais profundos orgãos alcançam, só os mais internos sentidos sentem, assim, sem se doer, sem lamentar, sem se sentir. Porque precisamos aceitar: estamos sós, sozinhos, em qualquer lugar, porque a solidão nasce em nós e não morre. No fundo, mesmo amando tantos amores, conhecendo tantos conhecidos, a gente só lida com a solidão."

Rio-doce.